quinta-feira, outubro 22


como e bebo

do fruto proibido,

encho a alma e a cabeça

com a vã filosofia,

subo a árvore da vida de revés ...

fiz um rito dos meus mitos,

já não sei qual é a verdade,

a vaidade me levou...

desço as ladeiras da dúvida,

cheio de dádivas inventadas.

no interior de minha alma mora um mundo todo!



ALECSANDER MATTOS



.

.

.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

gostou desse poema? deixe um comentário!
quer falar com os poetas do grupo? utilize os endereços de e-mails no blog, e no caderno de poesias.
obrigado